14 a 20 de outubro, 2018
14 a 20 de outubro, 2018

30/10/2018 -

Por Natasha Bachini e João Feres Jr.

Entre os dias 14 e 20 de outubro de 2018, as 155 páginas que monitoramos publicaram 9.659 posts, que geraram 15.087.511 compartilhamentos. As páginas que mais postaram no período foram as mesmas da semana anterior: Estadão (418 posts), UOL (404 posts) e O Globo (397 posts).

Tabela 1: 20 posts mais compartilhados da semana (14/10/2018 a 20/10/2018)

semana 49

Os 20 posts da tabela acima concentram 10% do volume total de compartilhamentos alcançado pelas 155 páginas ao longo do período. O recurso mais usado nesses posts foi o vídeo (40%), seguido do link (30%), da foto (15%) e do texto (15%).

A página de Jair Bolsonaro gerou o maior volume de compartilhamentos, ocupando 12 posições no ranking. Por meio de suas lives e matérias do R7, Bolsonaro rebateu acusações de caixa 2 duplamente qualificado oriundas de denúncia da Folha de S. Paulo, que noticiou esquema no qual empresários estariam comprando a distribuição em massa de mensagens contra o PT por meio do aplicativo de mensagens Whatsapp. Os disparos teriam sido contratados por até R$12 milhões, infringindo a lei eleitoral ao menos em três aspectos: os contratos configurariam doações não declaradas, partiram de pessoas jurídicas e configurariam terceirização de serviços.

Bolsonaro se defendeu das acusações alegando que o jornal estaria em conluio com o candidato Fernando Haddad, que “não há provas, só indícios”, e que não é necessário produzir fake news para combater o PT, pois os escândalos de corrupção, “os assaltos as estatais” e “a defesa das ditaduras socialistas” são incontestáveis. A mesma linha argumentativa foi usada pelo apresentador do Programa Pânico Emílio Zurita, pelo jornalista José Nêumanne Pinto em programa da TV Estadão e pelo blog O Antagonista, cujos posts foram reproduzidos respectivamente pelo MBL e pelo próprio Bolsonaro, e pelos deputados Kim Kataguiri (DEM) e Marco Feliciano (PODE).

Haddad foi mencionado em diversas oportunidades também como “socialista” em decorrência de sua tese de doutorado e livro em comemoração dos 150 anos da obra de Marx e Engels.

O candidato ainda deu explicações ao seu eleitorado, afirmando que não acabará com o ministério da Educação nem com o Bolsa Família, que Alexandre Frota não será seu ministro da Cultura, tampouco as mulheres devem ganhar menos, negando que irá liberar a caça, permitindo apenas a do javali, e universalizar o ensino à distância. Este último só seria implementado nas zonas rurais, onde não há escolas próximas.

No que concerne a este tema, o candidato do PSL mais uma vez atacou o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), dizendo que seus integrantes são “picaretas que nunca trabalharam na vida”, que desativará as 2000 escolas do movimento existentes, pois estas “não formam estudantes, mas guerrilheiros”, que toda a “invasão de terra” será considerada terrorismo no seu governo, e que haverá excludente de ilicitude para quem reagir a uma ocupação.

Bolsonaro gravou vídeos com mulheres e homossexuais, dois grupos sociais que ele hostilizou publicamente no passado. No primeiro vídeo, que contou com a participação de professoras da linguagem de sinais, o deputado procurou relativizar seu posicionamento na votação sobre os direitos de pessoas com deficiência na Câmara alegando que se tratava de uma votação simbólica e que foi contrário somente ao ponto que incluía elementos da “ideologia de gênero”. No segundo vídeo, pessoas que se identificam como homossexuais acusam o PT de querer libertar quem praticou crimes hediondos e criticam o “kit gay” afirmando que se tornaram homossexuais por terem sido informados sobre sexo quando crianças.

Em seus posts, Bolsonaro continuou afirmando a existência do “kit gay”, classificado como notícia falsa pelo TSE, e insinuou inúmeras vezes, junto ao MBL e à página O Reacionário, que a sua tentativa de homicídio fora arquitetada pelo PSOL e pelo PT, conectando o ocorrido ao do ex-prefeito Celso Daniel. O candidato chegou até a mostrar os pontos de sua cirurgia e sua bolsa coletora em um dos vídeos .

O candidato se utilizou também do recurso do direcionamento para compartilhar notícias negativas sobre Fernando Haddad produzidas pelo portal R7. Uma delas trata de um processo relacionado à gestão do Theatro Municipal de São Paulo no qual Haddad responde por improbidade administrativa. A segunda trata da Operação Partialis, na qual Haddad não está envolvido, mas é relacionado tanto pela chamada da matéria quanto por Jair Bolsonaro.

Por fim, nessa semana apenas dois posts de páginas de esquerda alcançaram o ranking: um de Haddad sobre a decisão da Justiça Eleitoral de proibir a difusão da fake news acerca do “kit gay” por Jair Bolsonaro, e um vídeo de sua vice Manuela D’Ávila relatando comentários que recebe nas redes sociais. No vídeo, a candidata chama a atenção para fake news envolvendo seu nome que foram divulgadas na rede e para ameaças à sua integridade física.

Em resumo, observamos que o candidato do PSL, com o auxílio das páginas e políticos da nova direita e de parte da grande imprensa, se utilizaram do Facebook na penúltima semana de campanha eleitoral para criticar Fernando Haddad, o PT o PSOL e os movimentos sociais, especialmente o MST e o MTST. As mesmas páginas relativizaram a denúncia feita pela Folha, posteriormente apresentada ao TSE, sobre o uso de caixa 2 na campanha de Bolsonaro para o impulsionamento de fake news. Nenhuma providência foi tomada pelo TSE sobre o assunto até o momento.

Apoie o Manchetômetro

Criado em 2014, o Manchetômetro (IESP-UERJ) é o único site de monitoramento contínuo da grande mídia brasileira. As pesquisas do Manchetômetro são realizadas por uma equipe com alto grau de treinamento acadêmico e profissional.

Para cumprirmos nossa missão, é fundamental que continuemos funcionando com autonomia e independência. Daí procurarmos fontes coletivas de financiamento.

Conheça mais o projeto e colabore: https://benfeitoria.com/manchetometro

Compartilhe nossas postagens e o link da campanha nas suas redes sociais.

Seu apoio conta muito!

Publicação anterior

Por Natasha Bachini e João Feres Jr.
20/10/2018 -   Na semana posterior ao primeiro turno das eleições deste ano, as 155 páginas que monitoramos publicaram 9.245 posts, que geraram 16.833.076 compartilhamentos. As páginas que mais postaram no período ...
Próxima publicação

Por Natasha Bachini e João Feres Jr.
04/11/2018 - Na semana que antecedeu o 2º turno, as 155 páginas que monitoramos publicaram 8.760 posts, que geraram 15.087.511 compartilhamentos. As páginas que mais postaram no período foram: Mídia Ninja (365 ...